terça-feira, 10 de maio de 2016

NASA acaba de confirmar a descoberta de mais de mil exoplanetas

A missão do telescópio espacial Kepler, da NASA acaba de anunciar a descoberta de 1.284 novos exoplanetas - nove dos quais são considerados potencialmente habitáveis. Esse número quase duplica o número de exoplanetas que já foram confirmados lá fora no universo. "Isso nos dá esperança de que em algum lugar lá fora, em torno de uma estrela muito parecida com a nossa, podemos, eventualmente, descobrir um outro planeta com a Terra", disse Ellen Stofan, cientista-chefe na sede da NASA.


Quando o  Kepler procura por exoplanetas, ele está olhando para a luz vinda de estrelas. Qualquer sinal de que existe um escurecimento na luz poderia ser o resultado de um planeta passando em frente do seu sol. Isso é o melhor sistema que temos até agora, mas também pode levar a um monte de "falsos positivos", já que os planetas não são a única coisa que pode escurecer a luz de uma estrela - por exemplo, poderia ser um sistema estelar binário.

A fim de confirmar o que está acontecendo, no passado nós tivemos que acompanhar cada um desses candidatos a planeta, em tempo em tempo usando telescópios terrestres, o que é muito demorado e caro. E por isso que só foram capazes de confirmar 984 exoplanetas, apesar dos sete anos da missão Kepler.

Mas a nova técnica de validação, avalia a probabilidade de que candidatos a planetas são realmente planetas, sem qualquer acompanhamento necessário. "Imagine candidatos a planetas como migalhas de pão", disse Timothy Morton, da Universidade de Princeton, em Nova Jersey, que desenvolveu a nova técnica. "Se cair um pouco no chão, podemos pegá-los um por um. Mas se você derramar um balde cheio de pequenas migalhas, você vai precisar de uma vassoura para limpá-los", concluiu ele.

Esta nova técnica é a vassoura metafórica. Ela funciona através do cálculo de duas coisas: em primeiro lugar, se a forma de um planeta candidato parece ser realmente de um planeta - estatisticamente falando; e em segundo lugar, se eles são "falsos positivos".

Colocar esta informação em conjunto dá aos cientistas uma pontuação de confiabilidade entre zero e um, para cada candidato a planeta. E os candidatos com uma fiabilidade superior a 99%, agora podem ser chamados de "planetas validados", sem ter que efetuar quaisquer observações de acompanhamento. [ScienceAlert]