sábado, 2 de janeiro de 2016

Os cientistas estão tentando cultivar babatas em solo marciano

Se você viu o filme Perdido em Marte, saberá que o cultivo de alimentos no planeta vermelho não é muito simples: a atmosfera é composta por 95% de dióxido de carbono, e há pouquíssimas evidências de que possam sugerir que lá tenha a capacidade de suportar a vida. Agora, uma equipe formada por pesquisadores do Centro Internacional da Batata (CIP), junto com a NASA estão tentando cultivar batatas em condições marcianas.


A iniciativa tem dois objetivos principais: um, para testar se é realmente possível cultivar alimentos na superfície do planeta vermelho quando finalmente chegarem lá. Dois, desenvolver métodos para a cultura de batata aqui na Terra em condições muito inóspitas - essa pesquisa tem potencial para salvar milhões de vidas em nosso planeta. "Qual seria a melhor maneira de aprender sobre as mudanças climáticas, do que plantando em um planeta que morreu 2 ​​bilhões de anos atrás?", disse Joel Ranck da CIP. "Precisamos que as pessoas entendam que, se podemos cultivar batatas em condições extremas, como em Marte, podemos salvar vidas na Terra.", conclui ele.





Os cientistas que trabalham no projeto estão simulando as condições marcianas da melhor forma possível em laboratório, usando o solo do deserto peruano e uma atmosfera artificial, que é rica em dióxido de carbono. O CO2 vai realmente ajudar as batatas crescerem mais rapidamente, e poderia ser crucial no fornecimento de alimentos para as primeiras colonias de Marte.

Por enquanto, o foco está nas 842 milhões de pessoas ao redor do mundo afetadas pela fome. Com desnutrição e pobreza em ascensão, e aquecimento global contribuindo para a má qualidade do solo e da disseminação de pragas e doenças. E se formos capazes de fazer algo florescer em condições difíceis, poderia ser extremamente importante: as batatas são resistentes, altamente nutritivas e excelentes fontes de vitamina C, ferro e zinco. [ScienceAlert]